Oficinas de Filosofia e Motivação / Entusiasmo e Participação

Ana Bela Cabral

Ana Bela Cabral


Na senda da oficina de motivação animada pelo Ricardo Mendoza, em novembro de 2011, e com a preocupação constante de manter um ambiente de trabalho salutar e produtivo, no qual todo/as se sintam realizado/as e em evolução plena, demos início, no passado dia 12 de dezembro às nossas Oficinas de Filosofia e Motivação (OFM).
Numa primeira fase, estas OFM estão abertas a todos os colaboradores do Gabinete ABC que queiram voluntariamente participar. Numa segunda fase, quem sabe, estas iniciativas poderão estender-se à comunidade em geral, a todo/as o/as que, como a designação indica, gostem do saber e procurem novas estratégias para se manterem motivado/as, tanto no trabalho, como nas restantes dimensões das suas vidas.
A dinâmica das OFM baseia-se numa ficha de reflexão temática que contém alguns conceitos-chave e pontos de discussão. O objetivo primeiro é a partilha de pontos de vista sobre os pontos do debate e a definição de estratégias para a resolução dos problemas que vão sendo identificados.
A título de exemplo, a primeira OFM foi sobre o binómio “Entusiasmo e Participação”. Depois de explorados alguns conceitos-chave, as perguntas discutidas foram:
1. Consideras-te uma pessoa com entusiasmo?
2. O que te entusiasma?
3. Consideras-te uma pessoa participativa?
4. Qual a relação entre Entusiasmo e Participação?
5. O que é possível fazer para aumentar o teu nível de Entusiasmo e Participação? Que estratégias utilizar?
A primeira conclusão a que o grupo chegou foi a de que, obviamente, existe uma relação recíproca entre o entusiasmo e a participação. Isto é o entusiasmo determina a participação e, muitas vezes, a participação desencadeia o entusiasmo.
São variadas as situações que aumentam os níveis de entusiasmo:
I.                A existência de mais e variados desafios;
II.             A concretização de um projeto profissional;
III.          A família;
IV.            A aprendizagem.
e de participação:
i. O sentimento de prestar um serviço, de ser útil, de ajudar;
ii. A tomada de iniciativa;
iii. A apresentação de propostas profissionais.
Foram identificados alguns fatores que levam à “não participação” e à redução consequente do entusiasmo, e que constituem os obstáculos a ultrapassar:
a)    O medo de falar em público;
b)    Encontrar-se em contextos estranhos;
c)     A dificuldade em estabelecer contacto visual;
d)    A timidez nas comunicações telefónicas;
e)    A gestão de personalidades heterogéneas.
As estratégias encontradas em conjunto para a resolução de alguns dos problemas apresentados passam por:
– Identificar no outro a vontade de mudança;
– Aceitação de mais desafios;
– Gestão da antecipação;
– Substituição da condenação do outro pelo realce dos seus pontos fortes.
Desta oficina, resultaram alguns desafios concretos que foram atribuídos a alguns/algumas colaboradore/as. 

Partilha esta publicação

Comentários recentes

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado.